The Outlaw Josey Wales

16 02 2011

Hoje é fato consumado que Clint Eastwood é um dos nomes mais importantes da história do cinema, por seu trabalho marcante tanto como ator e diretor. Entretanto, nos anos 70 Eastwood ainda era um cineasta em começo de carreira, e buscava sua fórmula de fazer bons filmes. Seu debute por trás das câmeras ocorreu em 1971, com Perversa Paixão, e seguiram-se outros filmes medianos (o blog do Setaro falou com maior profundidade sobre esse período de Eastwood) até seu primeiro filme relevante como diretor: Josey Wales – O Fora da Lei, de 1976. Este western, não tão conhecido como seu grande sucesso no gênero – Os Imperdoáveis, de 1992, ao qual ainda retornaremos neste blog -, também merece sua devida atenção. Com uma trama que possui uma ótica diferenciada das tão batidas histórias de vingança, Josey Wales é um grande western.

O filme – baseado no livro Gone to Texas, de Forrest Carter – conta a trajetória do fazendeiro Josey Wales [Clint Eastwood], que vê sua família ser massacrada pela gangue dos Botas Vermelhas, durante a Guerra Civil Americana. A partir daí, Josey se junta a um grupo de Confederados (denominação das forças sulistas, que acabaram derrotadas) para se vingar da gangue – filiada ao lado do norte, vencedor da guerra. Com o término do conflito, todos os aliados de Josey se rendem às forças da União, e acabam sendo mortos. A partir daí, Wales é procurado pelas forças do norte, e tem sua cabeça colocada a prêmio; Josey começa sua fuga pelos estados sulistas dos Estados Unidos, enquanto tenta achar um meio de obter sua vingança.

Há de se ressaltar, em primeiro lugar, que Josey Wales já foge da visão convencional dos westerns ao mostrar a narrativa pela ótica dos derrotados sulistas, e reforçar a ideia que, no fundo, havia pessoas boas e ruins dos dois lados da guerra. Eastwood apresenta sua narrativa não apenas do lado sulista, como pela visão indígena – personificada no índio Lone Watie [Chief Dan George], companheiro de jornada de Wales a partir da metade do filme. Ao longo de sua épica fuga, Wales se confronta com as mais diversas estirpes de pessoas – que estão atrás da recompensa anunciada de US$5 mil -, e vê os mais diversos abusos e crimes cometidos por todos os lados envolvidos na guerra.

O que vemos na tela é um embrião do que seria a filmografia de Eastwood como diretor, sempre questionando seus espectadores com perguntas relacionadas a temas comuns a todos, como vingança e redenção. A jornada de Wales representa não apenas sua fuga dos perseguidores, como também sua busca por um lugar onde nomes e passado não tenham valor. Ao contrário do que o filme possa dar a entender, o objetivo principal de Wales se altera: Josey não está mais à procura da vingança, e sim de um lugar onde possa viver sem que seus demônios pessoais o venham ceifar. Eastwood nos mostra esta grande e questionadora trajetória por meio de inúmeras cenas e personagens simbólicos, e, claro, com ótimas sequências de ação (aqui cabe relembrar que a sequência inicial é homenageada no filme “À Procura da Vingança”, com Liam Neeson e Pierce Brosnan).

Como se perceberia ao longo de seu trabalho como diretor, Eastwood não é deveras ousado na montagem de cenas, sem esbanjar em recursos tecnológicos ou de efeitos especiais. Sua filmagem é segura, para que o espectador possa adentrar nos questionamentos propostos pelo roteiro de maneira mais eficiente, para que possamos compreender o que Josey Wales deseja. Com personagens bem delineados e construídos, The Outlaw Josey Wales é, com certeza, um dos melhores westerns da carreira de Eastwood – seja como diretor ou ator. E o mais interessante a se notar é que Clint já demonstrava quão grandiosa poderia ser sua carreira, se levarmos em conta a qualidade do filme, e de seu trabalho como diretor. Não é por acaso, inclusive, que Clint declara ser seu filme favorito até hoje…

“Josey Wales – O Fora da Lei” – Excelente   


Ações

Information

4 responses

16 02 2011
Pedro Pereira

Concordo na generalidade. É um filme que merecia ser mais conhecido. Pessoalmente guardei tão bem na memória as cenas do filme, que quando finalmente o encontrei em DVD parecia que a última visualização tinha sido à uma semana passada.


Pedro Pereira

http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
http://filmesdemerda.tumblr.com

16 02 2011
hqsubversiva

Acho a relação entre Wales e o núcleo indígena sensacional… filmaço, mesmo!

17 02 2011
Pedro Pereira

Clint Eastwood teve bons professores e acima de tudo parece-me que foi bom aluno, se me faço entender.


Pedro Pereira

http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
http://filmesdemerda.tumblr.com

17 02 2011
hqsubversiva

Com certeza! Além de trabalhar com grandes nomes do cinema, como Leone ou Siegel, Clint ainda tem muitos traços aprendidos com outros grandes, como Ford, Hawks e outros… e, no fim das contas, marcou seu nome na posteridade como diretor também, não?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: