De um tempo onde as aberturas eram geniais

30 10 2012

La Resa Dei Conti, 1966.





C’era una volta il West

18 08 2011

A perfeição é um conceito extremamente dependente da perspectiva tomada, pois é uma mistura de afinidades pessoais, características assimiladas por todos, dentre outros inúmeros fatores. De qualquer modo, é praticamente uma utopia alcançá-la, com certeza. No entanto, há certas pessoas que realizam um feito digno de perfeição… e há pouquíssimas outras que conseguem mais do que apenas um. Um homem disposto a pagar qualquer preço por seu sonho; um homem disposto a pagar qualquer preço para se dar bem; um homem disposto a pagar qualquer preço por sua ganância, uma mulher disposta a pagar qualquer preço por sua sobrevivência; um homem disposto a pagar qualquer preço por sua vingança.

Elenco estelar, trilha magnânima, cenas inesquecíveis, planos bem montados e realizados, uma história riquíssima: Era Uma Vez no Oeste, de 1968, tem isso e muito mais. Também, é difícil imaginar uma obra que envolva Sergio Leone, Dario Argento, Bernardo Bertolucci, Nino Baragli, Ennio Morricone, Henry Fonda, Charles Bronson, Claudia Cardinale, Gabriele Ferzetti, Woody Strode e Jack Elam não resulte em algo extraordinário. A meu ver, por mais que tenham conteúdos e atmosferas completamente distintas, C’era una volta il West e Três Homens em Conflito são obras perfeitas, e cabe ao gosto do freguês decidir qual a sua favorita. Por um nariz de vantagem, ainda sou mais Il Triello, mas, oras, abençoados sejam os céus por nos permitir contemplar estas duas obras-primas.

“Era Uma Vez no Oeste” – Excelente





…E Per Tetto un Ciello di Stelle (1968)

17 07 2011

Esta é a primeira vez que escrevo sobre um dos maiores ícones de um dos meus gêneros cinematográficos mais amados – o western spaghetti, claro – e, devo confessar, que nunca havia ouvido falar deste filme. Porém, quando vi o inigualável Giulianno Gemma na capa sob um título maravilhoso, a expectativa já cresceu: E Per Tetto un Ciello di Stelle, de 1968, não decepcionou! Não há uma tradução bem definida do título para o português – a cópia que assisti creditava o filme como “Quem Dispara Primeiro?”, mas se o traduzirmos literalmente, seria algo parecido com “Por Baixo de um Céu Cheio de Estrelas”, título muito mais justo à obra. Devaneios à parte, é um filmaço!

Billy Boy [Giuliano Gemma, sedutor, cômico e implacável] é um trapaceiro, que pula de cidade em cidade correndo atrás de rabos de saia e dinheiro fácil às custas dos outros. Até o momento em que encontra o turrão Harry [Mario Adorf, sensacional], homem que passou oito meses juntando ouro suficiente para reformar um rancho herdado de seu tio. Billy engana Harry que o persegue para receber seus suados dólares, mas acaba se transformando numa espécie de parceiro para recuperar a quantia perdida. Porém, há uma trupe de pistoleiros em busca de Billy: liderados por Roger Pratt [Federico Boido], estes homens estão a mando do antigo chefe de “Billy” (chamado, na verdade, Tim), que quer acertar algumas contas mal pagas pelo carismático trapaceiro.

Há de se ressaltar que o filme transita entre o cômico e o trágico de maneira ímpar, ao som da inesquecível dupla Ennio Morricone-Bruno Nicolai, que criam temas originais fora-de-série; como curiosidade, para aqueles que jogaram bastante Red Dead Revolver, para PS2, boa parte da trilha sonora é copiada/emulada desta belezinha italiana – além de ter sido utilizada em uma cena-chave de Bastardos Inglórios, lembram (posso até estar enganado e esta não ser a música, mas é muito parecida, vá!)?  Giulio Petroni mostra segurança como diretor, conseguindo transmitir esta alternância no tom das desventuras da dupla Gemma-Adorf de um modo muito divertido e agradável.

Infelizmente, E Per Tetto un Ciello di Stelle não ganhou a fama e notoriedade que merecia ao longo dos anos. Com apostas acertadas na química entre Gemma e Adorf, personagens carismáticos, bons tiroteios e uma trilha sonora pra lá de maravilhosa, o filme é um belo achado, destes que apenas esta massiva e extensa produção de gênero italiana do fim dos anos 60/começo dos 70 pôde nos proporcionar. Filmaço!

E Per Tetto un Ciello di Stelle” – Muito Bom





Hit-Girl

25 01 2011

Taí uma bela homenagem a Leone e Morricone!





Morricone

29 12 2010

Ennio Morricone marcou seus rumos na história há, pelo menos, umas quatro décadas atrás. Pouco tempo atrás, o compositor completou 82 anos e, para a surpresa de muita gente, ainda trabalha – ele quase compôs a trilha sonora de Inglourious Basterds, diga-se de passagem. O Bleeding Cool anunciou seu novo trabalho: parece que Morricone vai compor ring tones exclusivos para o novo modelo de celular da LG, Optimus 2X; bem, é um ótimo motivo para se comprar um celular novo, na minha opinião.





Ennio

10 11 2010

82 anos de Ennio Morricone, um dos maiores compositores da história do cinema.

A ele todas as palmas e aplausos do mundo.








%d bloggers like this: